Roteiro Sudeste Asiático: 3 Países em 1 Mês – Myanmar, Camboja e Tailândia

O Sudeste Asiático é um dos destinos mais desejados por todo turista. São muitos os países interessantes, o que torna a organização de um roteiro uma tarefa bem difícil!


Roteiro Sudeste Asiático

Quem aí sonha em viajar pelo Sudeste Asiático por 1 mês? Com tantos destinos maravilhosos, montar um Roteiro Sudeste Asiático é uma missão árdua!

Basta começar a pesquisar sobre os lugares e suas atividades para saber que 1 mês de viagem é pouco, muito pouco! Porém, se você não souber dos macetes sobre economia, a viagem pro Sudeste Asiático pode sair cara, muito cara!

Por isso, para otimizar a minha primeira ida ao outro lado do mundo e conter gastos, decidi conhecer “apenas” 3 países em 1 mês – Vamos conferir o meu Roteiro Sudeste Asiático – Myanmar, Camboja e Tailândia?





Saindo do Brasil

Por ser a opção aérea mais econômica, escolhi entrar no Sudeste Asiático por Bangkok (Tailândia). Meu voo saiu de Brasília e fez conexão em São Paulo > Doha (Qatar) para finalmente chegar em Bangkok (Tailândia).

Apesar do voo chegar em Bangkok, preferi conhecer a capital Tailandesa no final do roteiro. Decidi começar a viagem desvendando as maravilhas de Myanmar!

Por isso, mal cheguei em Bangkok e embarquei no mesmo dia para Yangon, a maior cidade birmanesa. Ao todo, pra completar a rota Brasília-Yangon, foram muitas horas de voo e espera em aeroportos (quase 50h!). Mas como a viagem estava bem no início, a energia ainda estava a mil!



Myanmar (10 dias)

Classificado pela Lonely Planet – Best In Travel como um dos 10 melhores países para se conhecer em 2017, Myanmar é o grande queridinho do momento!

Balloons Over Bagan Passeio de Balão em Bagan
Bagan foi amor a primeira vista, mas foi só pesquisar um pouco mais sobre os outros destinos do país pra ter certeza: Myanmar, lá vou eu!

Mas nem sempre foi assim: por causa do restrito Regime Militar, o país foi “fechado para o mundo” durante anos, onde a entrada de estrangeiros era extremamente regulada e dificultada.

Com a dissolução do Regime Militar em 2011, aos poucos Myanmar foi se abrindo para o turismo. No final de 2014 a obtenção do visto foi facilitada por meio do e-visa, uma pré autorização do visto definitivo.

Mas foi apenas em 2016, com a primeira eleição democrática, que o país começou a receber um grande fluxo de turistas – e eu não podia ficar de fora, não é?

Inclui Myanmar ao meu Roteiro Sudeste Asiático após ter me apaixonado por Bagan e seus vários quilômetros de templos! São muitos os encantos de Myanma!

Quer saber mais sobre esse lindo país? Confira 18 Dicas e Curiosidades sobre Myanmar!




Myanmar – 10 dias

Dividi o meu Roteiro Myanmar de 10 dias entre 4 cidades Birmanesas: Yangon, Mandalay, Inle Lake e Bagan.

Dia 1 – YangonO que fazer em Yangon: Conhecendo a maior cidade birmanesa – Trem Circular, Mercado Bogyoke, Pagoda Shwedagon + Ônibus em Myanmar: ônibus noturno para Mandalay.

Shwedagon Pagoda Yangon
Yangon e a imensidão dourada do Shwedagon Pagoda (detalhe) – Esse enorme Pagoda tem quase 100 metros de altura!
Yangon Circular Train
Passeio de trem em Yangon – uma das melhores formas de acompanhar a rotina dos birmaneses. Guardo na memória esse passeio super marcante.

Dia 2 – MandalayO que fazer em Mandalay, o centro cultural birmanês: Gold Pounder WorkshopStone Carvers District, Mandalay Grand Palace, Golden Palace Monastery (Shwenandaw), Kuthodaw Pagoda, Kyauk Taw Gyi Pagoda.

Dia 3 – Mandalay – Bate e volta para as antigas cidades de Ava Inwa, Amarapura e Sagaing.

Dia 4 – Mandalay – Manhã: Bate e Volta em Mingun, a cidade dos Pagodas mais incríveis de Myanmar + tarde em Mandalay (Sanda Muni Paya e Mandalay Hill) + Myanmar de Ônibus: ônibus noturno para Inle Lake.

Yangon Stone Carvers District
Stone Carvers District – Em Yangon as pedras de mármore se transformam em várias imagens do Buda.
Hsinbyume Pagoda Mingun Myanmar
Mingun guarda os Pagodas mais incríveis de Myanmar – O belo Hsinbyume Pagoda é prova disso!
Mingun Pahtodawgyi Pagoda
Mingun Pahtodawgyi Pagoda – O enorme templo rachado de Mingun, cidade localizada próxima à Mandalay.

Dia 5 – Inle Lake De barco pelo enorme Nyang Shwe – O que fazer em Inle Lake: Silversmith, 5 Days Market, Shwe Idein Pagoda, Jumping Cat Monastery, Floating Villa.

Dia 6 – Inle Lake – O que fazer em Inle lake: Passeio de bicicleta por Inle Lake e Vinícola Red Mountain Winery + Ônibus em Myanmar: Ônibus noturno para Bagan.



Inle Lake Myanmar
Floating Villas de Inle Lake – As casinhas de palafita são a única forma de habitar a região alagadiça de Inle Lake.
Inle Lake Shwe Indein Pagoda
As maravilhosas Jungle Stupas de Indein (Inle Lake) são imperdíveis!

Dia 7 – Bagan – Visitada guiada aos Templos (e-bike).

Dia 8 – Bagan – Conhecer os Templos (e-bike) pôr do sol no barco.

Dia 9 – BaganBalloons Over Bagan: O incrível amanhecer durante o Passeio de Balão em Bagan + Ônibus em Myanmar: ônibus noturno para Yangon.

Dia 10 – Yangon – Voos e mais voos com destino > Camboja.

Bagan
Bagan e seus quilômetros de templos encantam qualquer um!
Balloons Over Bagan
Pra percorrer o maior complexo de templos Budistas do mundo só há uma forma: Passeio de Balão em Bagan!

Camboja (5 dias)

Desculpem a ignorância, mas até pouco tempo o Camboja era sinônimo da atriz Angelina Jolie e do videogame/filme Tomb Raider. Alguém aí é dessa época?

Só fui despertar interesse pela tocante história do país quando assisti ao filme The Killing Fields. O filme traz um simples retrato do genocídio vivido pela população Cambojana durante a Ditadura Comunista do Khmer Rouge (1975 – 1979).

Liderado por Pol Pot, o Khmer Rouge acreditava que os países estavam envenenados pelo capitalismo. Por isso iniciaram um radical processo de reforma social, com o objetivo de criar uma sociedade comunista puramente agrária e sem contato algum com o exterior.



Todos os moradores das grande cidades, como por exemplo a capital Phonm Penh, foram expulsos e direcionados aos campos, onde eram submetidos ao trabalho forçado em “cooperativas agrícolas”.

Durante o Khmer Rouge, estima-se que cerca de 2 milhões de cambojanos tenham morrido de fome, tortura e execução.

A grande maioria dos assassinados era formada por intelectuais e pessoas com algum nível de educação. O Khmer Rouge os enxergava como ameaça aos seus ideais e, sem pensar duas vezes, partiam para a matança em massa.

The Killing Fields Camboja Mass Grave
São pelo menos 340 Killing Fields distribuídos pelo território Cambojano. O genocídio de praticamente um terço da população do Camboja fez com que o Khmer Rouge fosse considerado o regime mais letal do século XX.

Apesar de todo o terror vivido, o povo cambojano não perdeu sua ternura e serenidade. Quem visita o país sempre volta com carinhosas memórias e lindas histórias para contar.

Roteiro Camboja – Dividi os 5 dias para visitar as duas principais cidades do país: Siem Reap (2) e Phonm Penh (2). Perdi um dia por causa da logística de transporte aéreo e terrestre… Paciência!

Camboja Angkor Wat
Os deslumbrantes templos de Angkor Wat. Por causa dos templos de Angkor Wat, a maioria dos turistas visita apenas Siem Reap. O Museu do Genocídio e os Killing Fields, ambos localizados em Phonm Penh, acabam ficando de lado.

Dia 11 – Phonm Penh – Conhecendo a capital do Camboja.

Dia 12 – Phonm Penh – Khmer Rouge e a cruel história Cambojana: visita ao Museu do Genocídio Tuol Sleng e aos Killing Fields + Ònibus noturno para Siem Reap.

Camboja Tuol Sleng Museu do Genocódio
Museu do Genocídio Tuol Sleng – A escola que virou centro de tortura – O país sofreu bastante com o genocídio comandado pelo Khmer Rouge. Para o conhecimento de todos e não repetição desse horror, museus expõe as atrocidades cometidas na época. A visita é difícil e dura, porém necessária.
Camboja Bayon
No Camboja, até os templos recebem os turistas sorrindo! O templo Bayon, mais conhecido como smilling faces, é repleto de rostos sorridentes.

Dia 13 – Siem Reap – Manhã livre e tarde no templo mais deserto da região, o Beng Maelea + Pub Street e sua agitação à noite.

Dia 14 – Siem Reap – Dia dos templos! – Tour guiado pelo Complexo Angkor Wat, Bayon, Ta Phrom e Banteay Srei + Pub Street + Ônibus noturno de volta para a capital Phonm Penh.

Dia 15 – Phonm PenhDesespero, choro, mais desespero e quase o dia inteiro no aeroporto > Voos com destino à Tailândia.

Um imprevisto tremendo aconteceu assim que pisei no aeroporto de Phonm Penh e por causa disso quase não deixei o Camboja. Quem ficou curiosa(o) clique aqui! Já adianto, foi um perrengue daqueles!



Tailândia (16 dias)

Qual imagem vem à cabeça de vocês quando pensam na Tailândia? Pode deixar que eu respondo: paredões verdes, praias com água turquesa e areia bem branquinhaO paraíso na Terra!

Koh Phi Phi
O melhor meio de locomoção do pedaço – Longtail Boat na Praia de Koh Phi Phi Don em Krabi, Tailândia (angelictravels.com).

Diferente de Myanmar, a Tailândia é um país muito acostumando a receber turistas. Por causa dos encantos do país e pela falta de exigência de visto, o fluxo de visitantes sempre foi alto.

Mas o grande boom turístico aconteceu depois do filme A Praia (2000), onde o mundo todo ficou encantado com as imagens de Leonardo DiCaprio em Maya Bay, a ilha “secreta” da Tailândia.

Maya Bay Tailândia
Maya Bay, a praia que deixou de ser secreta – Hoje em dia, Maya Bay recebe dezenas de visitantes. As únicas formas de pegar a praia mais vazia é chegar super cedo ou fazer o passeio Maya Bay SleepAboard, onde todos dormem em um barco atracado na ilha. Em breve vai ter post sobre esse passeio inesquecível!

Mas não é só de praias que vive a Tailândia. Suas maravilhas se estendem pra vários outros lugares, como por exemplo a capital Bangkok e Chiang Mai, a rosa do norte.

Roteiro Tailândia – Dividi os 16 dias na Tailândia da seguinte forma: Krabi e Ko Phi Phi (8), Chiang Mai (4) e Bangkok (4).

Dia 16 – Krabi (Ao Nang) – De Ao Nang para Railay Beach – O paraíso se chama Railay Beach e é pra lá que eu vou!

Railay Beach Krabi Tailândia
Tá bom ou tá excelente acordar com essa vista? As hospedagens de Railay Beach são um pouco mais carinhas do que as de Ko Phi Phi, mas valem cada centavo!

Dia 17 – Krabi (Railay Beach) – Passeio das 4 ilhas: Poda Island, Chicken Island, Tup Island e Pranang Beach

Dia 18 – Krabi (Railay Beach) – Passeio de Longtail boat para Hong Island.

Tup Island Krabi Tailândia
Passeio das 4 Ilhas – Das ilhas visitadas, a Tup Island tem a água mais bonita e clarinha.
Hong Island Krabi Tailândia
Hong Island é uma das ilhas mais bonitas de Krabi, o passeio é imperdível!

Dia 19 – Krabi (Railay Beach) – Trocando de paraíso: Ferry de Railay Beach para a agitada Ko Phi Phi + Pool party com vista pro mar.

Dia 20 – Ko Phi Phi – Long Beach de manhã + Maya Bay SleepAboard: já pensou em dormir em um barco atracado na praia mais famosa do mundo? Esse passeio imperdível inclui uma “cama” com vista para as estrelas e muito mais!

Dia 21 – Ko Phi Phi – Acordar em uma Maya Bay vazia + De volta à party Island + Soneca (outros brasileiros estavam no barco, ou seja, ninguém dormiu!) + Party Haaaard.

Maya Bay SleepAboard Tailândia
O snorkelling incluso no Maya Bay SleepAboard foi o melhor de todos: cheio de peixinhos e água super clarinha.

Dia 22 – Ko Phi Phi – Sequência de praias a caminho da Long Beach + despedida party-people-party-beach-party-hard!

Dia 23 – Ko Phi PhiFerry de volta para Ao Nang.

Dia 24 – Krabi (Ao Nang) – Voos para Tailândia com destino à Rosa do Norte chamada Chiang Mai + Andar pelo enorme mercado noturno de Chiang Mai, o Sunday Market (Walking Street).

Dia 25 – Chiang Mai – Passeio no Santuário Patara Elephant Farm: cuidadora de elefante por um dia + Templo Doi Suthep à noite.

Patara Elephant Farm Chiang Mai
Chiang Mai é casa dos melhores Santuários de Elefantes da Tailândia, como o Patara Elephant Farm.

Dia 26 – Chiang Mai – Aula de Culinária Tailandesa.

Dia 27 – Chiang Mai – Passeando pela cidade e visitando templos + Voo para Bangkok, a última parada da viagem.

Dia 28 – Bangkok – Perambulando por Bangkok: Conhecendo as ruas e becos da cidade mais movimentada da Tailândia: + Khao San Road à noite.

Bangkok Tailândia
Os coloridos meios de transporte da Tailândia: táxis e os famosos tuk tuks.

Dia 29 – Bangkok – Visitando os templos Wat Pho (templo do gigantesco Buda reclinado) e Wat Arun + Sky Bar à noite: Bangkok vista do alto no imponente restaurante e bar Sirocco.

Dia 30 – Bangkok – Bate e Volta para Ayutthaya, a antiga capital Tailandesa + Khao San Road à noite.

Dia 31 – Bangkok – Gastando os últimos Baht nas lojinhas da Khao San Road + Jantando escorpião preto (tem corági!?) + Bye Bye, Ásia! > Voos para o Brasil.

Ayutthaya Tailândia
A famosa imagem de Buda entremeada nas raízes de uma árvore em Ayutthaya.

Roteiro Sudeste Asiático em Ordem Cronológica

Yangon (Myanmar) > Mandalay (Myanmar) > Inle Lake (Myanmar) > Bagan (Myanmar) > Yangon (Myanmar) > Phnom Pehn (Camboja) > Siem Reap (Camboja) > Phnom Pehn (Camboja) > Ao Nang (Tailândia) > Railay Beach (Tailândia) > Ao Nang (Tailândia) > Koh Phi Phi (Tailândia) > Chiang Mai (Tailândia) > Bangkok (Tailândia).



Viajando de Avião pelo Sudeste Asiático

Vocês devem estar pensando aí: Haja dinheiro, hein mulher!? Pois é, também pensava desse jeito até conhecer o Programa de Créditos da AirAsia, o Asean Pass.

Se você não der sorte com as promoções, a forma mais econômica de voar pelo Sudeste Asiático é utilizando o AirAsia Asean Pass. Esse programa foi crucial na concretização da minha viagem. Fiz 8 voos durante 1 mês e gastei pouquíssimo!

Nunca ouviu falar sobre o Asean Pass ou não sabe como usá-lo? Explico tudinho nesses dois posts: Tutorial AirAsia Asean Pass Parte I: Créditos e Rotas e Tutorial AirAsia Asean Pass Parte II: Compra do Passe e Resgate dos Voos.


Depois disso tudo, quem ficou com vontade de pegar o primeiro voo sentido Sudeste Asiático?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *