De barco por Nyang Shwe: O que fazer em Inle Lake, o enorme lago Birmanês

Parada obrigatória em Myanmar, Inle Lake vai te encantar com o ballett dos pescadores birmaneses e com as Floating Villas espalhadas pela cidade.


No meu Roteiro Myanmar de 10 dias, Inle Lake foi um dos lugares que resolvi conhecer. Quando comparada às outras cidades turísticas de Myanmar – Mandalay, Bagan e Yangon , Inle é a cidade com características mais diferentes.

A imensidão de templos em Bagan é ímpar. Já as movimentadas Yangon e Mandalay sustentam estruturas de cidade grande, com trânsito caótico e maior tráfego de pessoas na rua. Enquanto isso, Inle Lake mais se parece com uma grande vila de pescadores.




Inle Lake
Casinhas de palha se espalham pelas áreas alagadas de Inle Lake. Em meio as casas existem vários canteiros com plantações de verduras e legumes – os melhores de Myanmar!

Cercada pelo enorme Lago Inle a cidade é movida por pequenos barcos com motores super barulhentos. Mas vá se acostumando! Seja você turista ou morador local, esse é o principal meio de transporte entre os braços do vasto Lago Inle.

Inle Lake
Em Inle não tem congestionamento de carros, e sim de barcos!
Inle Lake
Descanso para os ouvidos – Alguns barquinhos dos nativos não tem motor. Ao invés do motor, os birmaneses usam pequenos remos de madeira ou longas varetas que alcançam o fundo do lago.

Um bom barqueiro te mostrará os lugares mais interessantes de Inle Lake e de quebra você ainda pode ter a oportunidade de almoçar com seus familiares em uma casinha de palafita e experimentar a tradicional comida caseira birmanesa.

Inle Lake
Essa princesinha toda vaidosa é sobrinha do nosso barqueiro. Ela e outros integrantes da família nos receberam durante o almoço.

O nosso barqueiro foi indicado pelo ma-ra-vi-lho-so Hostel Song of Travel. Depois de horas viajando de ônibus noturno de Mandalay para Inle Lake, chegamos ao hostel de madrugada, fechamos o passeio de barco e começamos a desbravar a cidade.





Dica Esperta: Apesar de fazer um calorão em Myanmar durante a alta temporada (Novembro – Março), em Inle Lake rola de passar frio! Separe aquele casaquinho para usar de madrugada e durante o passeio de barco. Alguns barcos vem com cobertores individuais, mas mesmo assim ainda faz um frio do cão!

Inle Lake
Inle Lake, a Veneza birmanesa – O sol nasce e o dia acorda com os barulhos dos barcos.

O que não pode ficar de fora da sua visita à Inle Lake (Nyang Shwe):

5 Days Market

Quem vai à Myanmar descobre cedo ou tarde que o país é repleto de mercados. Mas um detalhe faz com que o 5 Days Market seja um mercado diferente: os moradores das Hill Tribes.

O dia mal começou, o sol ainda não saiu e uma fina camada de névoa cobre parte do lago. Esse é o momento em que a troca e venda de mercadorias acontece entre os nativos e membros das Hill Tribes. O pessoal das Hill Tribes vêm de longe para comercializar produtos no mercado.





Mais tarde, quando o sol está alto, o 5 Days Market é tomado por turistas. Portanto, se sua intenção é presenciar a troca das mercadorias, ver o pessoal das Hill Tribes e conhecer um mercado mais vazio, combine com o seu barqueiro para sair cedo de Inle, algo por volta das 5h da manhã.

Infelizmente não cheguei cedo o bastante. Por causa da viagem de ônibus, chegamos em Inle Lake às 6h da manhã. Até chegar ao hostel, combinar o passeio e entrar no barco já passava das 7h. Por isso acabamos visitando ao mercado quase no meio da manhã.

Inle Lake
Chegando ao 5 Days Market – Vários barcos emparelhados aguardam a volta dos turistas.
Inle Lake
É artesanato que não acaba mais! Passei um bom tempo zanzando pelo mercado, mas ainda assim não o vi por completo.
Inle Lake
Porta copo de madrepérola – Os artesanatos de Myanmar foram os mais belos de todos os 3 países visitados durante a viagem pelo Sudeste Asiático.
Inle Lake
Calendários pintados à mão.
Inle Lake
Muitas imagens de monges e do Buda.
Inle Lake
Caixinhas pintadas à mão.

Tínhamos outro dia em Inle, então porque não madrugar e visitar o mercado cedinho no dia seguinte? O que acontece é que o 5 Days Market muda de local a cada dia. Às vezes ele ocorre no Lago e às vezes na cidade.

No dia em que chegamos em Inle o mercado aconteceria no Lago. Por isso, mesmo perdendo as Hill Tribes, preferimos conhecer o mercado enquanto no Lago.

Quem me passou essa informação foi o rapaz do Hostel Song of Travel. As hospedagens sempre sabem onde o 5 Days Market acontecerá. Portanto, informe-se antes de fazer planos!



Silversmith

Quem aí é fissurado em vídeo game e conhece o termo blacksmith? Nos jogos de RPG sempre tem um personagem responsável por criar objetos utilizando ferro ou aço como matéria prima. Esse é o famoso blacksmith.

Em Inle Lake, ao invés de criarem objetos com ferro ou aço, os artistas trabalham com a prata, e por isso são chamados de silversmith.

Inle Lake Silversmith
Jovem birmanesa trabalhando em um delicado colar de prata.

Durante a visita ao silversmith, um guia local explica o passo a passo da fabricação da prata e confecção das frágeis peças. Quando comparada às outras pratarias, a prata birmanesa é levemente mais clara, reluzente e super delicada.

No silversmith de Inle Lake, as criações dos artistas birmaneses vão desde brincos, anéis e colares até pequenas cestinhas feitas com fios de prata entrelaçados. Depois da demonstração de como as peças são feitas, o guia nos leva a uma enorme loja de prata!

Inle Lake Silversmith
Um dos anéis que comprei (SOS!) sendo ajustado para o tamanho do meu dedo.

O trabalho minucioso é encantador! Por isso, cuidado para não gastar todo o dinheiro nesse stop. Tive que sair voada de lá pra não decretar falência antes mesmo do meu Roteiro Sudeste Asiático chegar à metade!

Dica Esperta: Procure visitar o silversmith depois de passar pelo 5 Days Market. O mercado tem preços bem mais atrativos e está repleto de coisas lindas! Combine a ordem dos passeios com o seu barqueiro.



Shwe Indein Pagoda

O Shwe Indein Pagoda deveria ser uma das paradas obrigatórias em Inle Lake. Mas, por algum motivo estranho, a visita ao local ainda não é muito popular (o que por um lado é bom!).

Inle Lake Indein
Antes de chegar ao Pagoda, subimos uma longa ladeira onde vários birmaneses vendiam artesanato local. São muuitas as barraquinhas!

Localizado em uma pequena vila chamada Indein, o Shwe Indein Pagoda é um conjunto de stupas antigas e restauradas. A maioria dessas stupas, também conhecidas por Jungle Stupas, ainda não foi restaurada, deixando o ambiente mais natural e fiel ao passado.

Inle Lake Shwe Indein Pagoda
Olhe essas antigas Stupas. Agora me diga: tem como deixar de visitar o Shwe Indein Pagoda? Não!
Inle Lake Shwe Indein Pagoda
Apresse o passo e visite logo o Shwe Idein Pagoda. As stupas vem sendo restauradas e o charme rústico do local está sendo substituído.
Inle Lake Shwe Indein Pagoda
Olha eu aqui de novo querendo ser a Queen das Stupas!
Inle Lake Shwe Indein Pagoda
Duas birmanesas sorridentes descansam debaixo de uma árvore em Indein.
Inle Lake Shwe Indein Pagoda
As coloridas birmanesas dão vida às ruínas de Indein.



Almoço caseiro birmanês na Floating Villa

Sem dúvidas esse foi um dos pontos mais interessantes do dia. Dispense os vários restaurantes locais e coma uma comidinha caseira preparada pela tradicional família de Inle Lake!

O nosso barqueiro nos levou até a casa de sua família onde nos foi servido um banquete birmanês! Sem brincadeira, foi uma das melhores refeições de toda a viagem! E de quebra ainda convivemos um pouquinho com os  gentis donos da casa.

Inle Lake
Nosso banquete: peixe fresquinho, legumes e verduras muito bem temperados e arrozinho no ponto!
Inle Lake
Duas gerações de mulheres birmanesas – Avó e netinha. As duas eram super simpáticas ao vivo, mas sempre estavam sérias nas fotos. Timidez, será?
Inle Lake
As irmãs cozinheiras eram mais sorridentes.
Inle Lake
Mais sobrinhas do nosso barqueiro – As duas super arrumadinhas se despedindo de quem parou para almoçar.
Inle Lake Thanaka
Quem aí reparou no rostinho das birmanesas? Esse pozinho se chama Thanaka: uma pasta feita a base d’água e raspa de árvore. O Thanaka é usado para proteção contra o sol e até mesmo fins estéticos. Experimentei essa tradição birmanesa quando estava em Mandalay. Confira o resultado em Curiosidades e Dicas sobre Myanmar!



Sobrevoar Inle Lake a bordo de um Balão

A Balloons Over Bagan também oferece voos de balão em Inle Lake. Como preciso de pelo menos um rim pra sobreviver, tive que escolher um dos passeios, então preferi fazer o Incrível Passeio de Balão em Bagan.

Mas, se você tiver um sugar daddy ou for cheia(o) da bufunfa… Porque não fazer os dois?

Inle Lake Balloon
Mesmo sem fazer o passeio, dá pra admirar a beleza dos balões sobrevoando as montanhas que contornam o gigante Inle Lake.

Jumping Cat Monastery (Nga Phe Kyaung)

O nome já diz tudo: o grande monastério construído sobre palafitas abriga não somente monges, estátuas do Buda, budistas e turistas, ele também é refúgio de vários gatinhos fofos.

Já viu gato obedecer alguém? Pois aqui até truque eles faziam! Nesse monastério os monges ensinavam os felinos a pular dentro de pequenos bambolês. Mas, com a morte do monge treinador em 2014, os treinamentos foram suspendidos.

Inle Lake Jumping Cat Monastery
Atualmente os gatos do Jumping Cat Monastery só fazem estripulias quando querem, a grande maioria fica de preguicinha pelo monastério – O sereno gato da foto estranhamente observava uma das imagens de Buda.



Inle Lake de Bicicleta

Se você vai à Inle Lake, passear de bicicleta pelas ruelas da cidade é atividade obrigatória! Depois dos barcos com motores ensurdecedores, uma das coisas mais características de Inle é dar um pedal de bicicleta. Portanto, anote aí no seu roteiro!

A maioria das hospedagens fornece bicicleta gratuitamente. O Hostel Song of Travel tinha várias bicicletas à disposição dos hóspedes. Bastava fazer um depósito de segurança na hora da retirada da bicicleta e depois resgatar o valor na entrega da mesma. Caso sua hospedagem não fornecer bicicletas, existem locadoras pela cidade.

O passeio tem vários trajetos: você tem a opção de dar uma volta inteira pela cidade e depois cruzar o lago de barco de um lado para o outro (levando a bicicleta!), ou fazer o caminho mais curto, onde apenas um lado da cidade é explorado, ou se perder pelas várias estradinhas de terra. Aventure-se!

Seja lá qual for o trajeto escolhido, força nas pernocas! O menor dos percursos tem mais de 1 hora de duração. Mas, com as paradas e lindas paisagens, nem dá pra sentir muito cansaço. Não se esqueça de caprichar no protetor solar!

Inle Lake bike ride
A estrada é tranquila e contorna grande parte do lago – optamos por fazer um dos trajetos mais curtos, o que passava apenas por um lado da cidade e finalizava no lago.
Inle Lake bike ride
O que mais vimos em Inle foram turistas em suas bicicletas.
Inle Lake Bike Ride
Todas as bicicletas vem com cestinhas na frente, uma mão na roda pra quem quer levar bolsa/mochila/água. Além disso, todas vem com cadeados, sejam elas alugadas ou das hospedagens.
Inle Lake
No caminho tem plantações, resorts, alguns restaurantes, casinhas locais e muitos birmaneses em suas atividades rotineiras – Na foto: plantação de girassóis e resort ao fundo.



Degustação no Vinhedo Red Mountain Winery

Depois de dar um rolê de bicicleta por Inle Lake, não perca o pôr do sol visto do alto do vinhedo Red Mountain Winery.

Para refrescar, peça uma taça de vinho ou champagne e aproveite a linda vista sob os últimos raios de sol do dia.

Inle Lake Red Mountain Winery
Parreiral do vinhedo Red Mountain Winery – Não deu tempo de esperar o pôr do sol porque ficamos com medo de perder o ônibus noturno para Bagan. Mas mesmo assim, a vista lá de cima é bem bonita (e o vinho também)!
Inle Lake
Pertinho do vinhedo uma família birmanesa arava a terra – Mais parreiras?




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *