Myanmar: Explorando a última capital Real da Birmânia – O que fazer em Mandalay?

Localizada na região central do país, Mandalay é considerada o centro da cultura Birmanesa. Saiba porque essa cidade não deve faltar em seu roteiro!


Em março de 2017 fiz meu primeiro mochilão pelo Sudeste Asiático e passei 10 dias viajando pela Birmânia. Durante minha estadia em Maynmar reservei 3 dias para explorar Mandalay, a segunda maior cidade do país e centro da cultura birmanesa.

Mandalay foi uma das minhas cidades preferidas de Myanmar. A cidade e seus arredores estão repletos de Pagodas, Monastérios, Templos e atividades super interessantes. Se você vai à Birmânia, a visita à Mandalay é imperdível!





O que fazer em Mandalay?

Ir até o topo do Mandalay Hill

O nome da cidade de Mandalay se deu por causa da colina Mandalay Hill. Coberto de Pagodas e Monastérios, o Mandalay Hill é um dos maiores locais de peregrinação dos budista birmaneses.

Mandalay Hill Grand Palace Mandalay
Tá vendo aquela colina ali atrás? Tudo aquilo é o Mandalay Hill. É possível ver a colina de vários lugares da cidade, inclusive das muralhas do Grand Palace Mandalay.

Uma enorme escadaria acompanha a colina de início ao fim. Para quem não está disposto a enfrentar os vários degraus ou apenas tem preguiça não tem tempo sobrando, é possível chegar ao topo da colina de carro ou tuk tuk.

Mandalay Hill Sutaungpyei Pagoda
O topo da colina é adornado pelo brilhante e colorido Sutaungpyei Pagoda. Como a maioria dos templos de Myanmar, esse templo é repleto de bandeiras do budismo, um símbolo de fé e paz.
Sutaungpyei Pagoda Mandalay Hill
O Sutaungpyei Pagoda tem lindos mosaicos em suas paredes, como essa enorme mandala colorida. Aliás, apesar da real origem do nome Mandalay ser desconhecida, acredita-se que a palavra raiz seja mandala, uma referência a planície circular.

Passear pelos corredores do Kuthodaw Pagoda

O Kuthodaw Pagoda é uma Stupa Budista localizada na base do Mandalay Hill. Esse Pagoda abriga o maior livro do mundo: um conjunto de 730 pequenas stupas com enormes placas de mármore em seu interior.

Ambos os lados das placas são marcados com as inscrições do Tipitaka, os dizeres de toda a coleção do Budismo Theravada.

Kuthodaw Pagoda
Mérito para a posteridade – Originalmente marcadas em ouro, as placas compõem um trabalho grandioso deixado pelo rei Mindon Min (1868). A intenção do rei era conservar os ensinamentos Budistas por 5 milênios após a época do Buda Gautama (wikimedia.org)

 

Kuthodaw Pagoda
Parte das 730 pequenas stupas que compõe o maior livro do mundo. O local é pura beleza e tranquilidade.



Visitar um Gold Leaf Workshop

Clássico da região de Mandalay, o Gold leaf Workshop, também conhecido como Oficina da Folha de Ouro, é o local responsável pela confecção de finas lâminas de ouro.

Faz parte da tradição birmanesa colocar folhas de ouro nas imagens de Buda. O ato não apenas doura e embeleza a imagem de Buda, mas também é uma forma de louvar e demonstrar grande estima pelo Budismo.

Detalhe da perna do Buda Mahamuni – são camadas e mais camadas de folhas de ouro (flickr.com).

Para produzir as finas lâminas, um pequeno pedaço de ouro é envolto por papel celulose e colocado no interior de um livro. Isso é feito repetidas vezes, até o livro ficar repleto de pedaços entre suas páginas. Quando repleto, os Gold Pounders começam a bater no livro com pesados martelos.

Gold Pounders em ação – O processo de produção das finíssimas lâminas de ouro é bastante braçal. Para alcançar o tamanho desejado, os Gold Pounders do King Galon passam muitas horas martelando os livros.
Quando o metal alcança a espessura desejada (0.000127 cm) é cortado em diferentes tamanhos e separado em pequenos conjuntos prontos para a venda.
Golden Leaf Workshop
Além das finíssimas lâminas de ouro, os Workshops também produzem e vendem delicados artigos de decoração.

Admirar o Mahamuni Pagoda e a devoção dos birmaneses

O Mahamuni Pagoda se tornou o maior local de peregrinação de todo Myanmar. Mas o que esse Pagoda tem de tão diferente para atrair tantos birmaneses? Te digo: a imagem viva do Buda Gautama.

A imagem viva de Buda – Com exceção da cabeça, a imagem é coberta por milhares de folhas de ouro. Por causa da enorme camada de 15 cm,  algumas partes praticamente perderam a forma real. Além da imagem de Buda, o Pagoda é repleto de quadros ilustrando sua história e iluminação espiritual (asiatouradvisor.com).

Como assim imagem viva? Explico: segundo a lenda, durante suas missões para difundir o budismo, o Buda Gautama passou pelo antigo reinado de Arakan (região oeste da Birmânia) e comoveu todos com seus ensinamentos, principalmente o rei Sanda Thuriya, fiel devoto do budismo.

Antes que Buda partisse, o rei pediu a ele que lançasse sua imagem em Myanmar para perpetuar a adoração pelo budismo. Foi quando Buda sentou debaixo de uma árvore e meditou por longos 5 dias.

Durante esse tempo, foi moldada uma imagem realista de Buda usando ornamentos doados pelo rei e seu povo. Depois de olhar para sua própria imagem, Buda ficou muito satisfeito e a vivificou com sua essência espiritual, nomeando-a Candasara.

Acredita-se que a imagem do Buda Mahamuni é a única cópia fiel do Grande Sábio Buda. Por esse motivo, vários birmaneses visitam diariamente o Pagoda ou assistem transmissões do local por live stream!

Desde 1988 um ritual se repete: todas as manhãs o monge mais experiente lava o rosto e escova os dentes da estátua mais sagrada de Myanmar (asiatrips.travel).

foto monge limpando – Desde 1988 um ritual se repete: todas as manhãs os monges mais experientes lavam o rosto e escovam os dentes da estátua mais sagrada de Myanmar.

Mahamuni Pagoda Mandalay noviças nuns
Quando visitei o Mahamuni estava acontecendo a celebração das noviças, as jovens meninas que se tornarão monjas. Apesar de muitas mulheres visitarem esse templo, é proibida a entrada de pessoas do sexo feminino na área que guarda a imagem do Buda. O motivo? Os homens se distraem com a presença das mulheres e isso atrapalha a devoção… Vou te contar, viu?



Conhecer o Golden Palace Monastery

A história do Golden Palace Monastery (Shwenandaw) é muito peculiar: o monastério era um cômodo do Palácio Real localizando anteriormente em Amarapura, a antiga capital de Myanmar. E como diabos ele foi parar em Mandalay?

Golden Palace Monastery Mandalay
Um Monastério todo entalhado em madeira, assim é o lindíssimo Golden Palace Monastery.
Golden Palace Monastery Shwenandaw
Dentro e fora do monastério – toda a madeira é trabalhada e entalhada com delicados desenhos da mitologia budista.

Em 1857 o rei Mindon resolveu mudar a capital real de Amarapura para Mandalay. Junto com a mudança, ao invés de construir novas dependências reais em Mandalay, o rei ordenou que o cômodo fosse separado das outras dependências e transportado até Mandalay.

Golden Palace Monastery Shwenandaw
Além das paredes do monastérios, o teto também está coberto por desenhos da mitologia budista.

Em Mandalay o cômodo continuou servindo como aposento para o rei Mingun, até mesmo no dia de seu falecimento. Após a morte do rei, seu filho Thibaw acreditava que o aposento estava assombrado por espíritos maus, decidindo novamente desmantelar o cômodo e enviá-lo para outro local.

E lá foi o pobre do “monastério” mudar de novo… Seu destino seguinte foi o pé da colina Mandalay Hill, onde está firme e forte até os dias de hoje.

Goden Palace Monastery Shwenandaw
Apesar do nome, o lindo e “guerreiro” Monastério Shwenandaw não é mais habitado por monges.

Passar o dia em Ava Inwa, Amarapura e Sagaing

As cidades de Ava Inwa, Amarapura e Sagaing são parada obrigatória pra quem está visitando a região. Por ficarem próximo à Mandalay, é super tranquilo fazer um bate e volta para conhecer as principais atrações locais.

Cada cidade tem no mínimo dois passeio imperdíveis. Então, pra otimizar a viagem, achei melhor contratar os serviços de um guia com motorista. Ao todo consegui visitar 8 pontos turísticos.

U Min Thonze Sagaing
Algumas das 45 imagens de Buda em U Min Thonze, templo localizado no alto de Sagaing Hill. Cada uma das imagens é única e tem tamanho e expressões faciais diferentes. Juntas elas representam a quantidade de anos em que Buda perpetuou seus ensinamentos pela terra.
U Bein Bridge Amarapura
A famosa U Bein Bridge em Amarapura -A maior ponte de palafita do mundo.
Maha Aung Mye Bonzan Monastery
Ava Inwa – O Maha Aung Mye Bonzan Monastery é tão grandioso que mal cabe na foto.

Esse dia foi bem cheio! Contarei em outro post todos os detalhes sobre o imperdível bate e volta de Mandalay para Ava Inwa, Amarapura e Sagaing.

Andar pelo Stone Carvers District

O Stone Carvers District é um setor de Mandalay onde vários artistas trabalham esculpindo e polindo mármore. A maioria das criações em mármore são imagens do Buda em suas mais variadas faces e posições.

Stones Carvers District Mandalay
Esse enorme Buda de mármore estava na posição do nirvana.

As ruas são tomadas por estúdios e tudo vive coberto pelo pó dos mármores, o que deixa o lugar com uma áurea diferente e encantadora.

Stone Carvers District
Oia eu tentando colocar um colorido na brancura do lugar.

Visitar o Kyauk Taw Gyi Pagoda ao anoitecer

Alguns templos de Myanmar ganham mais vida e cor ao cair da noite. Esse é o caso do Kyauk Taw Gyi Pagoda, onde luzes coloridas adornam o interior e exterior do templo.

Kyauk Taw Gyi Pagoda Mandalay
Ao anoitecer as luzem transformam as dependências do templo.

Kyauk Taw Gyi Pagoda Mandalay



Passar a manhã em Mingun

Mingun é uma cidade localizada próxima à Mandalay. Seu principal acesso é via barco pelo rio Ayeyarwady. Os barcos saem de Mandalay em direção à Mingun às 9h da manhã e retornam às 12h:30.

Tem muuuita coisa pra fazer em Mingun: a cidade guarda o enorme templo rachado Mingun Pahtodawgyi, o deslumbrante Hsinbyume Pagoda, o segundo maior sino do mundo, mercados artesanais e mais. Considero esse bate e volta um must do!

Mingun Pahtodawgyi Pagoda
Mingun Pahtodawgyi Pagoda – A monstruosa stupa incompleta e em ruínas.
Hsinbyume Pagoda Mingun
Prepare-se para ficar hipnotizado com o exuberante Hsinbyume Pagoda

Quer saber como foi fazer o bate e volta em Mingun? Conto aqui todos os detalhes!

Conhecer o Mandalay Grand Palace

O Mandalay Grand Palace foi o palácio real que serviu a última realeza birmanesa. A arquitetura do Grand Palace segue a arquitetura dos palácios birmaneses: a enorme área é toda cercada por uma muralha e fosso com água.

Mandalay Grand Palace
A entrada do palácio é toda envolta por pilastras douradas.
Mandalay Grand Palace
Uma das várias dependências do Mandalay Grand Palace.
Mandalay Grand Palace
Descansando meus pezinhos de plebeia em dos portais do palácio.

O Mandalay Grand Palace é interessante, mas a visita não é imperdível. Em minha opinião, inclua-o ao seu roteiro apenas se tiver tempo sobrando na cidade.

Perambular pelo Jade Market

Sabiam que o maior mercado de Jade do mundo fica em Mandalay? Pois é, o Jade Market de Mandalay é conhecido por ter pedras Jade da melhor qualidade.

Apesar da fama, todo cuidado é pouco. Se você tem interesse em comprar alguma pedra, é bom entender um pouco do assunto para não ser passado a perna (michaelabrahamgems.com).
É durante a parte da manhã que as vendas e negociações acontecem, mas é possível ver as pedras sendo cortadas, moldadas e polidas durante o dia todo (michaelabrahamgems.com).

De todos os passeios mencionados no post, esse foi o único que não fiz. Mas não foi por falta de vontade de conhecer o Jade Market, e sim por falta de tempo.

Além disso, falam que os preços das pedras são bem altos. Então acabei evitando a sofrência de ver um mundaréu de Jade e não poder levar nenhuma. O que os olhos não veem o coração não sente, não é mesmo?




Com tantas coisas legais para conhecer, fica difícil escolher o que fazer em Mandalay. Pra ajudar na logística dos passeios, vou preparar um post sobre como dividir todas essas atividades em 3 dias em Mandalay. Postarei em breve, segura aí!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *