Myanmar: Conhecendo a maior cidade Birmanesa – O que fazer em Yangon?

Apesar de ser a maior cidade birmanesa e antiga capital de Myanmar, Yangon não é um dos destinos turísticos mais visitado do país. O que deveria mudar, afinal, as atrações de Yangon são lindíssimas e merecem a sua visita!


Como havia dito no post Roteiro Sudeste Asiático: 3 Países em 1 mês – Myanmar, Camboja e Tailândia, decidi começar o mochilão desvendando as maravilhas de Myanmar!

Por isso, mal cheguei em Bangkok (Tailândia) e embarquei direto para Yangon, a maior cidade birmanesa.

Quem escolhe viajar de avião à Myanmar tem duas principais portas de entrada: as cidades de Mandalay e Yangon.

Mandalay é a segunda maior cidade de Myanmar e está localizada no centro do país. Já Yangon, a antiga capital da Birmânia, está situada ao sul.

Dividi os dias de viagem entre as 4 cidades birmanesas mais conhecidas: Yangon (ou Rangun em português), Mandalay, Inle Lake e Bagan. Na hora de montar a rota, o google maps contabilizou as horas e km de todos os destinos juntos, então não se assustem! Viajei de ônibus em Myanmar e levava de 8 a no máximo 10 horas para chegar ao destino.

Por causa da logística dos voos do AseanPass – o econômico passe de créditos da Airasia -, escolhi Yangon para começar e finalizar a minha viagem à Myanmar. Agora, vamos ao que interessa:




O que fazer em Yangon?

1) Ande no Yangon Circular & Sub-Urban Train

Em viagens, uma das coisas que mais gosto de fazer é acompanhar o vai e vem das pessoas locais e observar seus costumes. Em Yangon, o melhor lugar para fazer isso é o Yangon Circular & Sub-Urban Train, o trem circular da cidade.

Yangon Circular Train
Foi muito interessante estar completamente inserida no dia a dia local. Poder acompanhar a rotina dos birmaneses foi uma experiência encantadora, igual essa princesinha aí!

Uma das estações do circular de Yangon fica logo atrás do Mercado Bogyoke, outro local de Yangon cuja visita é indispensável. A boa dica é fazer o passeio de trem antes ou depois de visitar o mercado.

Depois de passear pelo mercado fui à estação de trem. Quando cheguei à estação fiquei um pouco em dúvida sobre fazer ou não o passeio. Afinal, tava um calor lascado (março/17) e o circuito completo é um pouco demorado, levando cerca de 3 horas para sair e voltar ao ponto de partida.

Yangon Circular Train

Yangon Circular Train
Ao longo do caminho o trem passa por simples vilarejos onde novos passageiros sempre estão entrando e saindo.

Decidi encarar o trem mesmo assim. Paguei uma bagatela de 200 kyats (R$0,50) por todo o trajeto e lá fui eu! Passei maaal de calor em alguns momentos mas, depois do passeio terminado, fiquei muito feliz em ter ido.

Yangon Circular Train
Vai uma melancia pra refrescar? É muito quente dentro do trem, tente sentar na janela e não esqueça de levar água!

Foi bastante enriquecedor poder ver e fazer parte do dia a dia do povo Birmanês. De todos os momentos vivenciados em Myanmar – e olha que foram muitos! – essas horas dentro do circular de Yangon me marcaram bastante.

Yangon Circular Train
Da janela do trem – Colheita sincronizada em uma das vilas do trajeto.
Yangon Circular Train
Adorei o estilo das birmanesas, elas fazem as melhores combinações de estampas. Alô Vogue!
Yangon Circular Train
Eu tentando fazer a phyna num calor de 40 graus.
Yangon Circular Train
Agricultora incrementando o aroma do trem com verduras e legumes.
Yangon Circular Trem
As passageiras mais habilidosas e comilonas do trem: quem aí consegue comer usando apenas um hashi?
Yangon Circular Train
Em Yangon, os trilhos do trem também funcionam como varal.

Yangon Circular Train Yangon Circular Train Yangon Circular Train Yangon Circular Train

2) Passeie pelo Mercado Bogyoke

Construido em 1926, o Mercado Bogyoke é um enorme bazar localizado na região central de Yangon. São várias as lojas espalhadas pelos andares e ruelas do mercado: lojas de joias, artesanato, tecidos, roupas, lingeries (!), galerias de arte e restaurantes.

Mercado Bogyoke
São várias as galerias de arte. Todas elas tem no mínimo um quadro da Aung San Suu Kyi, a heroína do país e vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 1991.

O Mercado Bogyoke funciona todos os dias da semana, menos na segunda-feira. Costuma abrir cedo, mas quando o visitei pela primeira vez, por volta das 8h, a maioria das lojas ainda estava com as portas fechadas.

Mercado Bogyoke
Mercado Bogyoke no comecinho do dia – lojas ainda por abrir e ruas vazias.
Mercado Bogyoke
Tecidos e mais tecidos para fazer roupas femininas e as famosas saias masculinas, os longyi.

Passe pela principal igreja Anglicana de Yangon

Em um país cuja religião prevalente é o budismo e templos estão espalhados por toda parte, é bastante curioso observar construções de outras religiões.

Os maravilhosos Pagodas de Yangon interagem com algumas igrejas católicas, como por exemplo a Holy Trinity Cathedral, um resquício da colonização britânica.

Holy Trinity Cathedral Yangon
Parte da Holy Trinity Cathedral Yangon, a principal igreja anglicana de Yangon.

Veja também: O que fazer em Mandalay; o que fazer em Inle Lake e não perca o incrível bate e volta em Mingun.

3) Visite o magnífico Pagoda Dourado Shwedagon

Depois de visitar o Mercado Bogyoke vá a pé ao Pagoda Shwedagon, a caminhada pela cidade leva cerca de 20 minutinhos. De longe dá pra começar a vislumbrar a imensidão dourada do Shwedagon, é lindo de se ver!

Shwedagon

De toda a minha viagem pelo Sudeste Asiático, o Pagoda Shwedagon foi um dos templos mais grandiosos e deslumbrantes em que coloquei meus olhos.

Por isso, deixo esse apelo: se você vai à Myanmar, não deixe de visitar Yangon! O Pagoda Shwedagon sozinho vale a visita à cidade, o lugar é lindo demais!

Shwedagon
A principal stupa atinge enormes 98 metros de dourado puro.

Construido em algum momento entre os séculos VI e X, o Pagoda Shwedagon é o primeiro centro religioso de Myanmar.

Segundo a lenda, o local contém as relíquias de quatro antigos Budas e oito fios de cabelo do Buda Siddhartha Gautama. Não foi a toa que o pessoal caprichou na sua construção, restauração e colocação de várias placas de ouro!

Shwedagon
A base do Pagoda é toda feita de tijolos cobertos com milhares de placas de ouro. Olha o tamanho dessas placas, é muito ouro!
Shwedagon
A enorme stupa dourada é cercada por uma floresta de pagodes e por 4 grandes templos localizados nos pontos cardeais.
Shwedagon
No topo da stupa tem uma espécie de coroa, chamado “hti” em birmanês, onde estão penduradas 1065 sinetas de ouro, 420 de prata e um cata-vento cheio de pedras preciosas. E a riqueza não acaba por aí, ainda há uma pequena esfera de ouro incrustada com milhares de diamantes, incluindo uma esmeralda de 76 quilates.
Shwedagon Pagoda Yangon
Não é apenas a stupa principal que guarda as belezas do local. O interior dos templos vizinhos também é de tirar o fôlego!

4) Explore as ruas da cidade

O centro de Yangon tem ruas movimentadas e cheias de vida local. Adornadas com fios de alta voltagem e coloridas sacadas decadentes, as ruas estão sempre repletas de pessoas vendendo comida, livros, roupas, frutas, etc.

Yangon
Não tem como viajar para o Sudeste Asiático e ficar sem provar a comida de rua local. Mas atenção, coma o que estiver fresco ou sendo feito na hora. Piriri mandou avisar!
Yangon
Tudo o que eu mais gosto: sacada decadente, roupinha colorida e um emaranhado de fios.
Yangon
Essa era uma das ruas mais coloridas e cheias de vida do centro de Yangon. Fica pertinho do Mercado Bogyoke, é só seguir os fios!

Yangon

Yangon
Fiquei hipnotizada com esse loiro da Birmânia, o boy magya de Yangon!
Yangon
Em Yangon, os pequeninos monges brincam de peek-a-boo entre janelas coloridas.

5) Assista ao belíssimo pôr do sol de Yangon

O nascer e o pôr do sol em todo Myanmar é de tirar o fôlego! Principalmente na época da seca, a melhor época para conhecer o país.

Fui a Myanmar nesse período (março/2017) e, ao visitar as cidades, tive o prazer de admirar o sol em todo o seu esplendor: seja o nascer do sol visto do alto de um Balão em Bagan, dentro de um ônibus ao chegar em Mandalay, cruzando o enorme lago de Inle Lake ou o pôr do sol visto do topo de um arranha céu em Yangon… Eram poucos minutos de muita beleza!

Yangon sunset
Depois de um dia super corrido, fui presenteada com esse pôr do sol maravilhoso visto no alto do terraço do hostel Backpacker (Bed & Breakfast).

6) Tenha cuidado com o trânsito!

Yangon é uma cidade super movimentada, com trânsito caótico e demorado. Lembre-se muito disso ao se deslocar para o aeroporto ou estação de ônibus.

Levei quase duas horas do meu hostel Backpacker (Bed & Breakfast) que ficava no centro da cidade até chegar à estação de ônibus, e olha que nem era horário do rush. Para quem interessar: a corrida do centro para a rodoviária custou 10.000 kyats.

Falando em ônibus, fiz todo o meu deslocamento entre as cidades de Myanmar utilizando os serviços da JJ Express, uma companhia de ônibus bastante organizada e confiável.

Quer saber como viajar por Myanmar de ônibus?

Depois de voltar da viagem e repensar tudo o que fiz, acho que fui um pouco injusta com a intrigante Yangon.

Explico o porque: enquanto montava o Roteiro Myanmar, fiquei hipnotizada com os milhares de templos de Bagan, com a beleza de Inle Lake e com os encantos de Mandalay.

Por isso, acabei menosprezando a maior cidade Birmanesa e separei apenas um mísero dia para conhecê-la.

Deixo essa dica pra quem estiver montando um Roteiro para Myanmar: Yangon merece mais do que um dia de viagem!

A abestada aqui se arrepende de ter ficado na cidade por tão pouco tempo… Agora só me resta uma coisa: voltar lá e consertar o erro! : )





Roteiro Myanmar: 10 dias descobrindo as belezas da Birmânia, a Golden Land do Sudeste Asiático
O que você precisa saber antes de viajar para a Birmânia: 18 Curiosidades e Dicas sobre Myanmar
Myanmar: Explorando a última capital real da Birmânia – O que fazer em Mandalay?
Myanmar de Ônibus – A forma mais prática e econômica de conhecer a Birmânia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *